Seja bem-vindo ao Dakota Johnson Brasil! Sinta-se à vontade para comentar nos posts, visitar nossa galeria e ficar informado sobre a atriz e modelo Dakota Johnson. Esperamos que aproveite todo o conteúdo que o site tem a oferecer e volte sempre.

Arquivo de 'Filmes'



04.05.2017
postado por Laura Melo e categorizado como Cinquenta tons mais escuros, Citações, Dakota Johnson

Em uma recente entrevista para a Imagista, Eric Johnson, co-star de Dakota em Cinquenta Tons Mais Escuros e Cinquenta Tons de Liberdade, menciona brevemente como foi trabalhar com a atriz. Confiram a tradução:

“Muitas das minhas cenas eram com Dakota e eu ficava constantemente mesmerizado pela nuance que ela trazia. Eu não acho que ela ganha o crédito que merece, e acho que ela fez um trabalho memorável nesse filme. Havia algumas coisas que ela fazia que eram quase impossíveis de conseguir, e ela o fazia com muita humildade. Foi muito divertido interpretar [o personagem] e nós pudemos fazer um trabalho divertido, apesar do fato que estou sendo horrível com ela quase todas as vezes que a vejo. Foi uma experiência realmente recompensadora.”

Fonte | Tradução: Laura M.

16.04.2017

De volta à press tour de “Cinquenta Tons Mais Escuros”, Dakota também foi entrevistada pela versão eslovênica da revista ELLE, e nela, a atriz fala sobre o filme, gravar com Jamie Dornan, entre outras coisas. Confira à seguir:

No final do primeiro filme, “Cinquenta Tons de Cinza”, vimos como Anastasia Steele deixa Christian Grey e toma controle da própria vida. Qual foi a experiência com “Cinquenta Tons Mais Escuros”?
“Cinquenta Tons Mais Escuros” inicia alguns dias depois que Anastasia deixa Christian. Ela está com o coração partido, ferida e confusa, mas ainda sente um forte amor e desejo por ele. No segundo filme, nós vimos como eles entram de acordo com suas emoções, e seu heroísmo excepcional a permite viver livremente com suas emoções. Ambos decidem dar outra chance ao relacionamento, mas nos termos de Ana. Ao longo do filme, Anastasia explora suas sexualidades, corpos e desejos de uma forma boa e honesta.

Como o relacionamento de Christian e Anastasia se desenvolve?
O que atrai nessa história é que eles se amam mais que tudo nesse mundo e fariam qualquer coisa para proteger esse amor. Esse vínculo brutal determina os personagens e faz deles mais ligados ao outro. Agora, eles têm de decidir se querem ou não ficar juntos, então há mais espaço para o relacionamento se desenvolver e aprofundar.

Do que você gosta em seu papel?
O desenvolvimento pelo qual Anastasia passou como uma jovem mulher, era mais emocionalmente animador do que o sexo, de verdade. Eu fiquei viciada com a natureza mental e moral dela. Ana também é corajosa o bastante para explorar sua sexualidade, assim como ser compassiva e confiante em si mesma.

Christian é um homem bem complicado e misterioso, o que é certamente um papel interessante, certo?
Claro, alguém que tem complexidades, se considera um sádico e tem fetiches sexuais, é interessante. É um personagem para ser interpretar com delicadeza.

Como foi trabalhar com Kim Basinger, que interpretou Elena Lincoln, uma mulher importante do passado de Christian, fato mencionado em “Cinquenta Tons de Cinza”?
Trabalhar com Kim Basinger foi um prazer extremo. Quando assisti pela primeira vez “Nove e Meia Semanas de Amor”, meu mundo virou de cabeça para baixo, já que sou uma grande fã dela e de seu trabalho. Kim em Cinquenta Tons… pareceu destino. Ela é tão talentosa e peculiar, absolutamente deslumbrante. Em meu mundo dos sonhos, estou experimentando esta coincidência como uma espécie de cerimônia de iniciação, honra ou a passagem do bastão, como quiser. Estou ciente de que ninguém é tão sexy, brilhante e linda quanto Kim Basinger em “Nove e Meia Semanas de Amor”, e eu aceitei isso.
Foi interessante – não só Anastasia se mostrando possessiva e protetora – mas também seu confronto cara a cara com essa mulher. Foi uma mudança significante de tom.

O que você pode dizer sobre Bella Heathcote, que fez uma das ex-submissas de Christian, Leila Williams?
Bella é uma grande mulher e atriz. Ela é muito simpática, aberta e animada. Na verdade, isso deixa o ambiente mais confortável para se trabalhar, e eu acho que o fato acrescentou muito peso na representação verídica e bonita de Leila.

Há humor no filme?
Normalmente, eu encontro humor nas situações menos convencionais. Na minha vida, isso serve como um mecanismo de distração. Eu percebi que essa contribuição ao meu trabalho é, às vezes, eficiente. Com a história sendo adaptada para as telonas, eu espero que o humor dê um pouco e alívio e uma espécie de tempo para as pessoas depois de cenas intensas.

Você acha que é importante não levar as coisas muito à sério e ser capaz de rir de si mesmos?
Eu acho entediante pessoas sérias demais.

Como foi voltar para a personagem?
No primeiro filme, havia aquela enorme pressão em adaptar uma história tão famosa. Não vou dizer que isso foi erradicado completamente no segundo, mas definitivamente me senti mais em casa. Ainda assim, nunca havia retornado para um personagem ou equipe antes. É tipo acampamento de férias. Dessa vez, não eram mais águas inexploradas, Jamie e eu já sabíamos com o que estávamos lidando.

A química entre você e Jamie Dornan no primeiro filme foi notável. Como foi trabalhar com ele novamente?
Devido à intimidade do primeiro filme, nós criamos um ambiente seguro. Então nós, graças à Deus, nos tornamos bons amigos. É verdade que temos sorte de nos entendermos bem, seria um pesadelo caso contrário. Dessa vez, nós filmamos por 6 meses e a maior parte das cenas, claro, são com Christian e Ana.

Qual sua opinião sobre o ator que interpretou Christian Grey?
Eu acho que Jamie tem uma calma em si mesmo, o que foi essencial para seu personagem. Sua aparência estoica, inteligência e espiritualidade completam todo esse complexo.

No que o diretor James Foley contribuiu para o filme?
James é um diretor incrível que se juntou a um grupo de pessoas muito talentoso. Seu trabalho foi particularmente adequado no aspecto de suspense que eleva a história.

Como você gravou as cenas mais intensas?
A quantidade de cenas de sexo que tinham de ser gravadas era assustadora, então nosso objetivo era deixar as coisas mais leves, enquanto, claro, tentávamos fazer com que as cenas fossem reais e não repetitivas. Gravar essas cenas pode ser emocionalmente e fisicamente exigente, portanto precisamos estar o máximo atentos possível com o outro.

Você se preparou para o papel?
Antes de começarmos a filmar, reli os livros para deixar a história fresca na mente e me deixar mais energética.

Nesse filme, Anastasia está mais forte, o que é comum de se ver em personagens femininas nos filmes hoje em dia. Você tem orgulho de trazer esse aspecto às telonas?
Eu realmente acho que esse é o aspecto mais importante dos filmes. Histórias são criadas para informar e mexer com as pessoas. Se você consegue fazer algo que empodere as mulheres, faça-as perceberem seus próprios valores e se defenderem, se sentirem capazes e apoiadas, acho que essa é uma grande oportunidade. Especialmente devido à nossa situação atual na sociedade e na política.

Seu papel é inspirar outras jovens a tomarem controle das próprias vidas. Você está ciente disso?
Isso é algo que faz eu me sentir incrivelmente honrada. Afinal, eu faço o que amo, e se esse amor tem qualquer impacto positivo em outras pessoas, é uma grande honra para mim.

Fonte | Tradução: Laura M.

20.03.2017

Hoje (20 de março) pela manhã, a Universal Studios liberou a data de lançamento do DVD e Blu-ray de “Cinquenta Tons Mais Escuros”, contendo uma série de bônus, como bastidores, entrevistas, cenas deletadas e o tão esperando Unrated, que é a versão estendida do filme exibido nos cinemas. O lançamento é no dia 09 de maio e os itens já estão disponíveis para pré-venda na Amazon US. Além do DVD e Blu-ray, a versão Digital HD do filme já estará disponível no dia 25 de abril. Para divulgar as datas, foi compartilhado um trailer com um pouco do que se pode esperar, e nossa equipe o legendou para vocês. Assistam:

08.03.2017
postado por Tai e categorizado como Dakota Johnson, Filmes, Notícias, Unfit

Como o Deadline comentou no inicio do mês passado, a estrela de Cinquenta Tons, Dakota Johnson, irá protagonizar o filme “Unfit”, um drama baseado nos tribunais da década de 1920.

A Amazon Studios ganhou um leilão entre vários estúdios, no qual Johnson será produtora executiva pela Silhouette Productions com Brett Ratner e John Cheng, e a produção será feita pela RatPac Entertainment.

O roteiro baseado no livro “Imbeciles: The Supreme Court, American Eugenics, and the Sterilization of Carrie Buck” de Adam Cohen, foi escrito pela ex-advogada Melissa London Hilfers.

A sinopse: Em um passado não muito distante, os Estados Unidos foi dominado por um movimento político que prometeu eliminar os “impróprios” do país. “Unfit” é a verdadeira história de Carrie Buck, uma jovem mulher da Virgínia que se tornou um pára-raios para esse movimento, cujo o caso Buck x Bell da Suprema Corte em 1927 legalizou a esterilização de cidadões “indesejáveis”.

“Como muitos, eu não estava a par desse momento chocante e fascinante da história americana”, disse Johnson. “Eu fiquei rapidamente obcecada com a perspectiva de esclarecer o enorme erro na justiça americana. A história de Carrie Buck é comovente e estimulante. E certos aspectos são enervantemente congruentes com a relação entre o governo e as mulheres de hoje. É uma história importante que, junto com RatPac e a Amazon, estou honrada e ansiosa para contar.”

[Brett] Ratner diz: “Dakota me contou sobre o livro “Imbeciles” em um almoço no ano passado, e quando John Cheng e eu lemos o roteiro, nós imediatamente enviamos a ela. Eu não poderia estar mais emocionado por estar envolvido neste projeto com a Dakota e a Amazon, porque eu sei da paixão e do entusiasmo da Amazon para contar esta história, que é tão forte quanto o da Dakota. Embora esta história tenha ocorrido quase cem anos atrás, o assunto é incrivelmente oportuno.”

Fonte | Tradução: Carol Felix

04.03.2017
postado por Laura Melo e categorizado como Cinquenta tons mais escuros, Dakota Johnson, Entrevista, Fotos

Dakota, em uma recente entrevista à entrevista britânica OK! Magazine, conta sobre sua amizade com o ator Jamie Dornan, o que mudou do primeiro para o segundo filme de Cinquenta Tons, seus pais, entre outras coisas. Leia o artigo e confira os scans logo após:

Revivendo seu papel como Anastasia Steele em Cinquenta Tons Mais Escuros, Dakota Johnson parece emocionada por estar de volta para a segunda parte da trilogia super comentada. Sendo a filha de Melanie Griffith e Don Johnson, e neta da estrela vencedora do Globo de Ouro, Tippi Hedren, atuar sempre esteve no sangue de Dakota.

Linda e amigável, Dakota parece estar finalmente se familiarizando com o seu estrelato, mas ela ainda acha o conceito de ter fãs ‘estranho’.

A estrela de 27 anos também admite que a terceira e última parte da franquia de cinema, Cinquenta Tons De Liberdade, estreando no próximo ano, será a última vez que ela trabalha com o colega de elenco Jamie Dornan. “Se fizéssemos [mais], seria tudo sobre Christian e Ana juntos novamente, e por que fazer isso com nós mesmos?” ela diz.

Jamie, de 34 anos, recentemente descartou os rumores de que seu casamento com a esposa Amelia Warner havia sofrido depois de filmar cenas de sexo quentes com Dakota, chamando-os de “repugnantes”. E parece que Dakota também esta desmentindo as fofocas dizendo que Amelia é “a mais legal”.

Aqui, Dakota se abre sobre sua química com Jamie, por que ela fez seus pais prometerem que não veriam suas cenas mais quentes o que ela mais vai sentir falta nos filmes de Cinquenta Tons..

Como você se sentiu ao voltar e fazer tudo de novo?
Dakota Johnson:
A pressão se foi – bem, quase! Estamos confortáveis, confiantes em nós mesmos. As pessoas gostaram do que fizemos no primeiro filme quando tudo parecia um risco, desesperador. Como ele vai ser recebido? Qual será a reação dos fãs? Então, sabendo que as coisas estão mais garantidas para o segundo é um grande alívio.

Você e Jamie parecem ser realmente próximos…
DJ:
É, de verdade, uma das amizades mais próximas que fiz em menos tempo na minha vida, apenas baseado na quantidade de tempo que realmente nos conhecemos. Eu amo Jamie, confio nele e realmente não poderia te dizer se conseguiria ter feito isso sem ele.

Qual foi a melhor coisa sobre trabalhar com Jamie?
DJ:
Ele é meu parceiro dos sonhos e ele me apoiou, assim como eu o apoiei. É pedir muito de duas pessoas, dois atores, para aceitar essas situações altamente emocionais e sexuais, mas acho que nós nos orgulhamos. Ele será meu amigo pelo resto da minha vida. Eu o adoro, adoro sua esposa e suas bebês lindas. Eles são a família mais unida.

Você passou muito tempo com a família dele?
DJ:
Essa foi provavelmente o melhor parte das gravações, ter a chance de passar um tempo e brincar com elas [Jamie e Amelia têm um filha de 3 anos, Dulcie, e uma de um ano, Elva). Tão lindas.

Foi estranho filmar cenas românticas com Jamie, e depois sair com sua esposa?
DJ:
Não, ela é a mais legal.

Anastasia parece estar mais madura neste filme. O que você pensa disso?
DJ:
Eu amo seu arco desde uma garota muito inocente, inexperiente, com uma certa falta de experiência de vida e depois ver esta jornada emocional, espiritual, intelectual e sexual do começo se transformar em algo empoderado e forte com integridade e graça. Não tem um momento em que acho que ela se comprometeu. Essa jornada foi fascinante.

Jamie disse que sexo está melhor neste filme – você concorda?
DJ:
O sexo está definitivamente melhor. Ela sabe mais o que quer. Está mais confiante agora e possui um entendimento sobre o que faz ele agir de certa forma. A conexão deles está mais forte, suas emoções são mais profundas. Isso já não torna o sexo melhor?!

Você perdeu mais suas inibições nesse filme?
DJ:
Não sei se eu realmente cheguei a ter fortes inibições. Não tenho problemas com nudez, nunca tive e nunca terei. Acho o corpo humano lindo. Cresci ouvindo para amar seu próprio corpo e ser confortável com você mesmo.

Você sempre quis seguir os passos dos seus pais?
DJ:
É o que sempre sonhei e o que me faz mais feliz.

Que conselho eles lhe deram, ou até mesmo sua avó, sobre o indústria?
DJ:
Minha avó é um ídolo para mim, ela me dá muita inspiração e força com suas palavras e no modo como ela navegou por esta indústria. Ela diz para confiar nos meus instintos, confiar em mim mesma e ser eu mesma.

Seus pais verão os filmes?
DJ:
Não, isso não aconteceu, nem vai acontecer! É difícil para eles, ver o enorme movimento em torno dos filmes, já que sou uma parte deles, mas não poderem assisti-los. Sei que é difícil. Mas eu fiz eles prometerem e eles respeitam a decisão.

Você tem uma cena incrível com Kim Basinger onde você joga uma bebida em sua cara. Como foi gravar isso?
DJ:
Eu odiei! Me sentia terrível, é Kim Basinger, pelo amor de Deus! Eu ficava me desculpando mas ela dizia: “Vamos novamente, enlouqueça!”. Eu queria praticar no Jamie, mas isso o teria desarrumado para a cena (risos)! Foi definitivamente um dos momentos mais estranhos da minha carreira e provavelmente da minha vida.

Como sua vida mudou desde que o primeiro filme foi lançado?
DJ:
É estranho que as pessoas pareçam saber tanto sobre mim. Isso é muito confrontante e eu não acho que vou me acostumar algum dia. O sentimento de que eu não pertenço totalmente a mim mesma é difícil de abordar. E nunca vou achar que é normal. Nunca vou pensar, isto é apenas parte da minha vida.

Agora você já acabou de filmar a trilogia de Cinquenta Tons. Do que você mais vai sentir falta?
DJ:
Jamie Vou sentir falta de suas piadas. A maioria delas são engraçadas – algumas nem tanto assim!

Scans | Tradução: Laura M. e Bárbara S.